Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CEAD e Expedição Cultural
Início do conteúdo da página

Projeto Borboletando realiza musical com crianças sobre lendas piauienses

  • Publicado: Terça, 27 de Setembro de 2022, 09h57
  • Última atualização em Terça, 27 de Setembro de 2022, 11h18

Borboletando

Atividades estão relacionadas ao programa de inovação da formação inicial e continuada (PRIL)

O Centro de Educação Aberta e a Distância da UFPI (CEAD/UFPI), por meio da parceria com o curso de Pedagogia/UFPI e do Programa Institucional de Fomento e Indução da Inovação da Formação Inicial e Continuada de Professores e Diretores Escolares- PRIL, realizou a terceira edição do projeto “Borboletando, em casa também se aprende”. A equipe trabalhou o tema “Lendas Piauienses” durante o mês de setembro e encerrou o módulo com a apresentação de um musical com as crianças da Escola Municipal Ministro Ruben Ludwig.

A professora do curso de Pedagogia da UFPI e coordenadora do projeto Borboletando, Sandra Ramos, pontua que a proposta das atividades surgiu com o objetivo de levar às crianças, aos professores e aos familiares o acesso aos vídeos que contam histórias inéditas e outras adaptadas para motivá-los a entenderem as temáticas de forma mais clara e objetiva.  “O Borboletando nasceu em 2020. Então, o Coronavírus entrava na história e a criança, já conhecendo os contos infantis, reconhecia o perigo do vírus como vilão das histórias. E, assim, aprendia a ter os cuidados sanitários necessários, o distanciamento e o confinamento em casa por conta da pandemia. Chegamos à terceira edição nesta perspectiva de oferecer inovação e acesso à tecnologia. Então, fizemos essa parceria com o PRIL e CEAD para oferecer o projeto não só no município de Teresina, mas em várias cidades contempladas pelo Programa”, explicou. 

Para a professora de Atendimento Educacional Especializado (AEE) da Escola Ruben Ludwig, Leila Santos, o projeto veio para adaptar muitas histórias com o intuito de serem compreendidas pelas crianças em atendimento especializado. Ainda de acordo com Leila, a adequação de alguns contos funciona em razão de muitos alunos terem medo das lendas. “Decidimos abordar o mês do folclore com lendas piauienses. Temos crianças que têm medo, por exemplo, do Cabeça de Cuia (Crispim), por conta do simbolismo e abstração que envolve a história. Então, o projeto Borboletando chegou com a proposta de, por meio lúdico, explicar para as crianças, sobretudo para os alunos com deficiência, temáticas variadas sobre assuntos necessários. Com os vídeos, conseguimos educar sobre a importância da higienização das mãos, os perigos da Covid-19, o motivo de a mãe enfermeira precisar ficar mais tempo fora de casa, por exemplo. O projeto foi tão bom e deu tão certo, que decidimos continuar e trabalhar a leitura, a escrita e o desenvolvimento de outras habilidades em sala de aula”, detalhou Leila.

Participando do projeto em Teresina, a aluna do 3º período de Pedagogia do Polo de Pedro II, Aline Sousa, conta que o amor pelo ensino infantil a fez optar por Pedagogia e dar uma pausa no curso de Administração. “Eu fazia Administração, mas migrei para Pedagogia por amor à profissão. O Borboletando veio somar à minha formação. Achei muito legal as práticas e a interação com as crianças, que propiciou o desenvolvimento da leitura e compartilhamento de conhecimento”, finalizou.

O projeto Borboletando traz inovação e criatividade através do uso de tecnologias digitais, arte e educação inclusiva colaborando para a formação de professores e diretores escolares, sendo um dos pilares de atuação do PRIL. Se você ficou interessado, confira a apresentação do projeto.

registrado em:
Fim do conteúdo da página