INTERFACE DAS COISAS – RETRATO E CANÇÃO
O uso da fotografia e de interfaces com imagens como instrumento pedagógico de prospecção e socialização de conhecimento sobre os seres
em 2/1/2019 - 8:36

Ao pensar no semi-árido, automaticamente, parte da população associa a nomenclatura a um quadro de miséria e degradação, atrelado a questões econômicas, tecnológicas e geográficas. Todavia, com a visão de que o semi-árido representa a mais diversa das paisagens brasileiras, no Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade Federal do Piauí (UFPI) está sendo estudado e implantado, em termos iniciais, Projeto de extensão que visa a uma nova perspectiva social e melhorias no aproveitamento de recursos e qualidade de vida dos habitantes da região.

  

“Interface das Coisas – Retrato e Canção: o uso da fotografia e de interfaces com imagens como instrumento pedagógico de prospecção e socialização de conhecimento sobre os seres”, nomeia a ação que, para além da contribuição acadêmica, mantém, entre seus objetivos, o intuito de despertar na população residente da área confiança em seu potencial de criação e de produção. Entre os participantes, o conhecimento sobre os segredos da fotografia da natureza; além da compreensão acurada do bioma. Entre o espectador, leituras subjetivas e poéticas.

 

Sob a coordenação do Diretor do CEAD / UFPI, Professor Doutor Gildásio Guedes Fernandes e Coordenadoria Adjunta da Coordenadora do Polo de Apoio Presencial Universidade Aberta (município de PIO IX), a Professora Rosilândia Melo de Alencar, em parceria com a Rede Pense Piauí, a ação pretende construir um painel fotográfico da fauna, flora e biótipos humanos, com a perspectiva de que as imagens vão ajudar tanto a descontruir a atual imagem do semi-árido quanto contribuir com a valorizarão de sua biodiversidade.

 

Almoço para diálogo sobre o Projeto. Da esquerda para direita: o Prefeito de Cocal dos Alves, Osmar Vieira; ProfessorSamuel; Professor Doutor Gildásio Guedes; Diretor do CEAD; Professor Amaral; João Xavier, Pró-Reitor de Pesquisa da UFPI e Professor Newton

 

“Uma das circunstâncias históricas que favorecem a execução do Projeto é o fato de termos a questão da pluralidade cultural e do semi-árido em pauta, atualmente, nas discussões sobre elaboração de Políticas Públicas do Estado do Piauí. “Beberemos” na fonte e descontruiremos nossos próprios paradigmas, levando, em fase posterior, à comunidade beneficiada, nova reflexão sobre o conviver na região. A discussão está sendo rumo ao mais importante fundamento: diversidade ambiental e pluralidade cultural”, destacam os coordenadores, ao justificarem a relevância da iniciativa em andamento.

  

Para a consecução do proposto, serão realizadas aulas sobre técnicas básicas da fotografia; oficinas com seleção de imagens em áreas com vegetação de fisionomia não florestal, representada pela caatinga; discussões em palestras com especialistas do conhecimento acadêmico e empírico para orientar reflexões sobre o tema; exposição de painel do material produzido em oficina; além de organizar material impresso da produção dos alunos na oficina.

 

Tais ações têm o intuito claro de beneficiar a população de municípios com biomas do semi-árido; professores e alunos da rede de educação do semi-árido; público em geral, interessado em temáticas, a exemplo de imagem, cultura, diversidade, preservação ambiental, memória, artes e semi-árido, além como esperado, a própria equipe técnica do Projeto. A previsão é que a proposta tenha início em março de 2019 com previsão para ir até dezembro de 2022. A princípio, as atividades presenciais serão realizadas na região norte do Estado, com a previsão de expansão gradativa e contínua.


Centro de Educação Aberta e a Distância - CEAD/UFPI